domingo, 27 de setembro de 2009

the pink surfer

1. A viagem
Olá! Eu sou a pantera cor-de-rosa. E este, aqui, é o Pink Surfer – o que desce as ondas de olhos vendados e ao pé coxinho; o que nunca cai e, para espanto geral, tem, como Cristo, a faculdade sobrehumana de caminhar sobre a água. Foi no distante planeta Pinky que o nosso herói veio ao Mundo, isto é, ao Cosmos, fruto da união entre uma pedra cor-de-rosa e um sabonete Lux.
Pinky era, então, um astro em perigo, ameaçado por excesso de raios gama. Antes que explodisse, os pais compraram-lhe uma viagem intergaláctica e despediram-se dele:
- Vai, “Pinkinho”! Escolhe um espaço do universo onde possas crescer e ter uma vida cor-de-rosa!

2. A prenda
Uns tempos depois, as televisões do mundo inteiro difundiam a notícia de última hora sobre a descoberta de um bebé que dera à costa portuguesa no interior duma cápsula.
Descobri-la-ia certa viúva dum pescador, que prontamente se comprometeu com a assistente social a fazer dele uma criatura ufana.
Quando fez 20 anos, o pequeno alien recebeu das mãos da dona Maria uma prancha de surf. Não que Maria gostasse de surf ou soubesse muito bem o que isso era, mas foi a forma que encontrou para que ele ficasse junto à costa e não o perdesse no alto mar, como ao defunto.
Nessa tarde, rumou à praia. Mas, por mais que tentasse, o rapazinho não conseguia firmar os pés naquele objecto relutante, que o cuspia insistentemente, como a um tremoço.

3. A estrela
À noite, no quarto, despertá-lo-ia do sono profundo uma ofuscante luz cor-de rosa, que, pairando sobre ele como um pequeno papagaio voador, fez ecoar as seguintes palavras:
- Não tenhas medo! Eu sou um velho sabonete Lux transformado em estrela.
- E o que queres de mim?
- Venho revelar-te a tua missão. É preciso que saibas: tu não és deste planeta e os teus pais não são humanos.
- O quê?! Vais-me dizer que sou filho dum sabonete Lux, não?!
- Nem mais! E a tua mãe era uma pedra cor-de-rosa...
- Era? E já não é?
- Perdeu-se na grande explosão de Pinky, o extinto planeta onde nasceste.
- E como é que eu vim parar aqui?
- Os teus pais enviaram-te numa cápsula cósmica de salvação.
- E eles? Por que não vieram também?
- Só havia duas cápsulas.
- Quem veio na outra?

4. Epílogo
À pergunta “quem veio na outra?” seguiu-se um silêncio comprometedor e a estrela sorriu-lhe, mordendo um lábio malicioso. Ele insistiu:
- Quem veio na outra?
- Não posso revelá-lo. Só posso dizer-te que a tua missão no Planeta Terra é viajares a vida inteira numa cama-automóvel e andares nas ondas de olhos vendados e ao pé coxinho!
- Ao pé coxinho?! De olhos vendados?! Ah, ah, ah, ah, ah! Ainda ontem experimentei com ambos os pés e com os dois olhos bem abertos e só dei tralhos!
- Terás de pintar de cor-de-rosa a tua prancha. Esse é o segredo!
- E a cama-automóvel? Onde a encontro?
- Dirige-te com a prancha debaixo do braço ao parque de estacionamento do Cantinho. Posiciona-te virado para Norte, junto a uma velha carrinha Mercerdes de cor branca e fecha os olhos. Nesse momento, profere três vezes: “PINKY PEK!”. Quando te voltares, terás finalmente a tua fantástica cama-automóvel para as surftrips e saberás quem veio de Pinky na outra cápsula.

4 comentários:

Rui Lopes disse...

Eu vi logo que havia algo de cor de rosinha nnas iscas

kimmoura disse...

Epá é que eu digo este blog é só panasquice, tábuas cor-de-rosa ao pé de carrinhas brancas, carros transformados em cama, sim,sim porque a foto da Peck é só pa disfarçar.

Sérgio "Isca" Ramalho disse...

Se encontrarem por ai kriptonite rosa avisem ... rsrsrs

Pek disse...

EXIJO um traje mais adequado aos meus super poderes e não aquela fatiota de quem se está a baldar ao colégio! além disso, quem é q o gajo pensa q é para estar a fugir com a minha JC? GET YOUR OWN BARBIE-BOARD! :) beijinhos